Terça-feira, 28.02.12

No n.º 15 da revista UPORTOALUMNI, Revista dos Antigos Alunos da Universidade do Porto, inclui uma interessante entrevista do bispo das Forças Armadas, Januário Torgal Ferreira.

Aborda, com igual abertura de espírito e frontalidade, temas como a situação social e política do país, a crise da Europa e o papel da Igreja.
Pela sua atualidade e pelo valor que estas palavras assumem, vindo de quem vêm,  transcrevo, aqui, o início da entrevista.
 
Em entrevista, D. Januário disse que “ser patriótico não é estar de joelhos e aceitar tudo o que nos dizem”. À luz destas declarações, que avaliação faz da recente greve geral?
Foi um exercício democrático. Mas ao mesmo tempo notava-se, quer por parte do Governo, quer por parte de outros setores da sociedade portuguesa, [a tentativa de passar a ideia de] que era uma atitude irresponsável. No sentido em que, se se perde mais um conjunto de horas, a economia do país fica mais debilitada.
Não concorda com esta visão?
Não concordo, não. Nota-se que essas pessoas não têm o realismo de escutar os outros e as notas que algumas instituições, que foram as organizadoras da greve, publicaram. A saber, foi dito que a greve, entendida como último recurso da comunidade trabalhadora, deverá significar que a situação do país é perfeitamente intranquilizadora. Além de intranquila, é intranquilizadora.
Acha que o povo português deve vir para a rua manifestar a sua discordância em relação às políticas de austeridade?
Com certeza. Fico sempre admirado com o espírito de disciplina e de civismo [do povo português]. Com certeza que há veemência, com certeza que há vozes demasiadamente inflamadas, com certeza que há ditos que ferem qualquer dicionário... Mas o que nós não assistimos foi à arruaça, à violência e à injustiça. Apesar dos comentários infelizes do perigo de tumultos e de anarquias...
Não teme um agravamento da conflitualidade social, porventura com os níveis de violência e de desobediência civil que se verificam na Grécia?
Poderá haver, de facto, esse problema. Se este clima continuar, não excluo uma situação semelhante à da Grécia. Há aqui dois problemas: distribuir – usando o adjetivo que Cavaco Silva usou – com equidade e justiça social os frutos do trabalho; e tratar as pessoas e as instituiçõescomo sujeitos, e não como objetos. Começo a ficar um bocado inquieto quando se diz: “fulano foi patriota”. Porquê? Porque defendeu os cortes no Orçamento. Esse é que é o patriota? Aquele que fabrica pobres, miseráveis e oprimidos é que tem amor à pátria? Eu acho que o patriota é o solidário. E a solidariedade começa pelos mais aflitos e pelos mais doentes.
Considera, portanto, que não está a haver equidade na distribuição dos sacrifícios?
Eu acho que não! As zonas mais vulneráveis, mais abandonadas e mais debilitadas económica e socialmente não têm sido zeladas com uma proporcionalidade monetária justa e compensadora. Uma malga de sopa mata a fome. Mas uma malga de sopa significa, tantas vezes, o mais profundo 
desrespeito pelo ser humano: “Toma lá!”. É o olhar de cima. E, como diz o García Márquez, “só se pode olhar de cima como se olha para uma criança: para a ajudar a crescer”. Aí é que o olhar de cima não é uma afronta! Nós ficamos muito satisfeitos, e isso são restos do salazarismo, com a solidariedade que engana a fome. O que eu queria era justiça que matasse a fome! As pessoas têm direito, como homens, a ter um trabalho com um salário justo. Não um salário precário,um salário por favor ou um salário que equivalha à malga de sopa.
Isto significa que a coesão social e o crescimento económico estão a ser esquecidos pelo Governo?
A parte produtiva e social está a ser esquecida. Tudo isto vem, a meu ver, da inclemência, do medo e do pânico. Já com o último Governo chegou-se à conclusão de que não havia dinheiro. E, então, sob a pressão do medo, do perigo e da desonra nacional foi possível assinar um acordo [com a troika]. Mas a inclemência e o medo não lhes deu tempo, nem lucidez, para pensar que o que foi prometido ser pago em três anos devia ser pago em seis ou sete anos. Que a dívida deve ser paga, com certeza! Devemos dar o testemunho cívico de que somos honestos, retos e patriotas. Agora, fazer pedidos de dinheiro para ficarmos de joelhos diante da Europa... Neste momento, por muito que isto pareça radical, não sei se será possível mantermo-nos na
Europa. Aí é que eu tenho medo que haja tumultos e levantamentos. Porque isto da Alemanha e da França estarem a comandar os destinos do dinheiro, com buscas lucrativas que para mim têm sabor autêntico a agiotas, pode criar uma crise terrível.
A REVISTA PODE SER LIDA NA TOTALIDADE AQUI
 


publicado por Po(d/b)re da Sociedade às 09:59 | link do post | comentar | partilhar | favorito

Segunda-feira, 12.12.11

 

ok_cc3A implosão do euro seria fatal para Portugal mas também para a Alemanha, insignificante ao pé de potências como a China, Brasil ou Índia. António Pires de Lima que, além de político, é presidente da Unicer, diz que se este governo não tiver sucesso económico não há discurso que lhe valha. E os dois partidos serão penalizados. Pelo sim, pelo não, o CDS aprendeu a salvaguardar-se e mantém um discurso mais autónomo.

Se tivesse de fazer equipa na Unicer com o governo actual, quem é que colocava em que função?

Eu gosto muito dos ministros que temos, acho que temos um bom governo, mas não colocava nenhum na Unicer. A equipa executiva que cá está é inigualável, não há nenhum ministro que pudesse fazer melhor… Se calhar também poucos de nós, na Unicer, teríamos vocação para estar no governo. Mas tenho muito respeito pelo trabalho que está a ser feito pelo primeiro-ministro, pelo ministro dos Negócios Estrangeiros e pelo ministro das Finanças. Acho que estão a formar uma troika – um triunvirato, neste caso, para sermos mais lusitanos – que está a dar uma nota completamente diferente da imagem de Portugal lá fora.

As agências de rating continuam a baixar as notações da República…

A esse propósito é preciso dizer duas coisas. Em primeiro lugar, que as agências de rating e os mercados estão a fazer o downgrading de toda a Europa, não só de Portugal. É a credibilidade da Europa enquanto projecto de crescimento económico que está neste momento a ser posta em causa e a ser avaliada de forma negativa.

E a segunda coisa, qual é?

De facto, temos um problema económico muito sério em Portugal e alguns dos downgradings têm a ver com as perspectivas serem agora ainda piores do que há seis meses, porque muitas das medidas adoptadas pelo governo para atingir as metas do défice – e nesse sentido eu estou muito preocupado –, são altamente recessivas. Estamos no fio da navalha.

O governo não está a saber gerir isso?

Este governo, que tem pessoas lúcidas, tem de ter um bocadinho mais de sensibilidade económica do que tem demonstrado até agora. Porque se não
cuidarmos da economia, se não a protegermos minimamente, todo este esforço de consolidação orçamental e de sacrifícios que estão a ser pedidos aos portugueses vai ser em vão.

Este ministro da Economia não tem essa sensibilidade?

Não tenho nada contra este ministro, que tem uma obra publicada em que faz um bom diagnóstico… Teve alguns meses iniciais de apagamento, provavelmente de adaptação e também porque veio de um universo externo completamente diferente. Deu alguns sinais muito importantes na discussão deste Orçamento do Estado – independentemente de uma ou outra incidência discursiva –, nomeadamente quando se olha para a essência daquilo que diz ao nível das leis laborais, da maior concorrência e da criação de estímulos em termos de produtividade, como foi a meia hora adicional de trabalho proposta para o sector privado.

Está a mudar?

Tenho sentido, nos últimos meses – se calhar, também devido a muitos alertas e pressões até dos próprios partidos da maioria –, um ministro da Economia mais actuante, mais veemente. Mas é importante que tenha também peso dentro do governo, para que esta sensibilidade empresarial ganhe dimensão e funcione até como contrapeso ao discurso muito draconiano, muito rigoroso – e que é importante – do ministro das Finanças.

O que gostaria de ver mudar na actuação do governo em 2012?

Gostaria que, durante o ano de 2012, o discurso e a prática económica – e isto não tem só a ver com o ministro da Economia – tivessem uma maior
ascendência, uma maior valorização. Sem economia, nós não vamos lá, e é bom que o governo perceba isto; pode ser um excelente aluno das instituições europeias, pode cumprir todas as metas, mas se não for capaz de compatibilizar o cumprimento destes objectivos com uma agenda de crescimento económico, este governo vai ser a primeira vítima dessa incapacidade.

Um dos seus ministros de eleição, Paulo Portas, ficou com a diplomacia económica. Agora está mais desaparecido… Ele aparece sempre, se não em Portugal, em algum sítio no estrangeiro. Seja no Cairo ou em Nova Iorque… O que pergunto é se temos, de facto, uma diplomacia económica a
funcionar?

A diplomacia económica passa por as nossas redes de diplomacia terem como ponto prioritário da sua agenda política o desenvolvimento das empresas e das marcas portuguesas fora de Portugal. E essa é uma preocupação relativamente nova. Se há dez anos falasse com diplomatas sobre isto, a maioria achava até, eventualmente, que promover negócios era uma coisa pouco nobre, pouco digna para o trabalho de um diplomata. O ministro dos Negócios Estrangeiros tem especial propensão, vocação e talento para trabalhar esta agenda. Fico contente por finalmente ter existido a clarificação necessária dentro do governo para que isto possa funcionar. O dr. Paulo Portas, com toda esta dispersão geográfica de que tem dado nota, está a dar o exemplo de onde deve estar a nossa prioridade. É mais importante que, viajando em executiva ou em económica, ande um pouco por todo o mundo desenvolvendo e activando esta rede de diplomacia económica.

Já consegue ver resultados?

Os sinais que tenho das visitas que já fez a alguns mercados, nomeadamente a Angola, são positivos. O dr. Paulo Portas é um magnífico negociador, sei-o por experiência própria, conheço-o desde miúdo, e se meter na cabeça – e acho que meteu – que esta é a sua principal função patriótica neste momento e se lhe derem os meios, pode conseguir coisas importantes para as empresas portuguesas. Confio muito na capacidade política deste governo para, por exemplo, ajudar a desbloquear o nosso investimento em Angola e para ajudar à existência de uma agenda mais produtiva das exportações em mercados complicados como a Venezuela e Brasil, que têm uma cultura muito proteccionista.

Tem mais esperança neste governo que no Sporting…

Tenho esperança nos dois. Esta nova geração de políticos, que está agora no poder, é feita de pessoas que já cresceram em liberdade e que representam um contraste com os políticos que até agora nos governaram e que, em boa parte, tinham crescido ou se tinham formado no tempo da ditadura. É mesmo a única geração, a quem eu acrescentaria o dr. António José Seguro, enquanto líder da oposição – porque me parece que, além de ser também desta geração, tem um comportamento, uma cultura muito construtiva –, que acredito que pode fazer face aos desafios com que Portugal está confrontado.

E a geração anterior, não?

A geração anterior era perita a fazer diagnósticos, mas tinha uma grande dificuldade em executar, em concretizar medidas que pusessem em causa ou que questionassem o Estado social. Para reactivar a economia, a prazo, precisamos de cortar na despesa pública. Pela primeira vez em muitos anos, Portugal vai terminar 2011 com uma despesa pública inferior àquela que tinha em 2010. E esta tendência vai aprofundar-se em 2012.

Esta geração está mais descomprometida?

Já percebemos, pelo discurso dos ex-Presidentes da República – às vezes até pelo do actual Presidente da República – e dos ex-primeiros-ministros que, felizmente, têm tido o bom senso de se manter silenciosos, que reduzir a despesa pública implica dilemas pessoais muito profundos para as pessoas que construíram Portugal depois do 25 de Abril, que é um Portugal cheio de qualidades, cheio de direitos, mas também, do ponto de vista económico e do Estado social, não sustentável. E, neste sentido, é muito importante darmos espaço, tempo e poder a esta geração que, por mérito próprio e por voto do povo, tem neste momento a responsabilidade de governar – ou de fazer oposição, no caso do dr. António José Seguro.

Esta geração de políticos vai conseguir estar o tempo suficiente para fazer a mudança?

A geração de políticos que nos governou até agora tem de respeitar, dar tempo e espaço – o espaço e o tempo que eles próprios tiveram para trazer Portugal até ao ponto em que estamos –, a esta geração. E nota-se uma ansiedade de intromissão, por parte daqueles que até aqui estiveram em funções de responsabilidade, que às vezes me parece contraditória. Portugal é o que é e está na situação em que está também pelos presidentes da República que temos tido, sobretudo pelos primeiros-ministros que temos tido.

Até há bem pouco tempo o CDS-PP, tal como o PSD, estava na oposição. Competia-lhe ter um papel mais activo?

Acho que tem, em parte, razão. Creio que a oposição, ao longo dos últimos anos, várias vezes deu nota do seu desconforto relativamente ao trajecto que financeiramente Portugal estava a seguir. Basta ver o papel que, há dois anos, a dra. Manuela Ferreira Leite teve na denúncia do caminho que estávamos a seguir e a forma como foi batida nas eleições. Quer dizer, os portugueses não quiseram ouvir. Penso que agora estão a demonstrar uma enorme capacidade cívica de interiorização da crise, que é muito importante para que a vençamos, mas também é verdade que durante anos os portugueses preferiram, sistematicamente, continuar a viver na ilusão e a acreditar em alguém que não lhes contava toda a verdade, e isso foi demonstrado pelo voto. A austeridade teve de ser imposta por fora… Mas penso que tem razão numa coisa, há uma cultura de confronto político,
governo-oposição, que tem sido muito pouco positiva, muito pouco construtiva de soluções para Portugal. Isso está agora a mudar um pouco, com esta geração de políticos. É muito positivo perceber que, apesar das diferenças, o dr. Passos Coelho e o dr. António José Seguro têm uma boa relação pessoal e são capazes de construir pontes, mesmo em momentos delicados como este da aprovação do Orçamento do Estado. Era muito chocante para mim, e para nós que trabalhamos no universo empresarial, onde é fundamental construir pontes, a cultura política de desqualificações pessoais, de insultos até, em que vivemos até há seis meses, no governo ou na oposição. A cultura do maniqueísmo político em que vivemos praticamente desde a revolução, é muito pouco propícia à construção e apresentação de soluções. Eu diria mesmo que este é o maior sinal de esperança – porque a esperança não vem, neste momento, dos sinais da economia que temos em Portugal.

 



publicado por Po(d/b)re da Sociedade às 10:46 | link do post | comentar | partilhar | favorito

Segunda-feira, 14.11.11

 

Sabia que o sexto homem mais rico do mundo tem uma empresa com sede na Ilha da Madeira?   

Conheça a história da "Suite 605", nome do livro de João Pedro Martins, que investigou e concluiu que a Madeira perde cerca de dois mil milhões de euros por ser considerada Zona Franca.

 

Veja a entrevista à ETV.

 

 



publicado por Po(d/b)re da Sociedade às 08:00 | link do post | comentar | partilhar | favorito

Este Blog é um espaço de apresentação/identificação dos podres/pobres da sociedade onde vivemos, onde a dignidade já há muito se perdeu e o estado civil se sobrepõe ao estado social. Não é um espaço reacionário mas sim... de indignação!!!
mais sobre mim
Outubro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10

14
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


VISITAS
counter
INDIGNE-SE E COMENTE
Quem quiser contribuir com algum artigo para este Blog, mostrando assim o seu direito à indignação, é favor enviar para o mail podbredasociedade@sapo.pt. Comentem e deem a vossa opinião sobre os artigos apresentados.
tags

todas as tags

posts recentes

EXERCÍCIO DEMOCRÁTICO

António Pires de Lima “De...

Suite 605 - João Pedro Ma...

arquivos

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

blogs SAPO
subscrever feeds